Avaliação

PRINCÍPIOS DA AVALIAÇÃO

A avaliação traduz-se na interação professor-aluno-conhecimento, no acompanhamento individual e coletivo, na compreensão e no reconhecimento dos avanços e dos limites, tendo em vista uma direção desejada, expressa nos Planos de Estudos e no Plano Global.

A avaliação, como parte do processo de ensino e aprendizagem, caracteriza-se por ser diagnóstica, diversificada e permanente de forma contínua e cumulativa. A avaliação qualitativa prevalece sobre a quantitativa, permitindo a verificação do processo de pensamento e o nível de operações mentais que o aluno está realizando. A avaliação oferece dados sobre a caminhada do aluno, permitindo informá-lo sobre seu nível de desempenho.

Os Relatórios de Avaliação e as Menções que expressam a dimensão cognitiva do aluno são atribuídos periodicamente, não podendo ser traduzidos em representações numéricas que levem a uma média aritmética ou ponderada.

Os critérios de avaliação expressam o nível de operações mentais e a construção do conhecimento elaborado.

A avaliação socioemocional tem caráter diagnóstico, a partir do qual os professores organizam novas situações de ensino e aprendizagem, com a finalidade de auxiliar o aluno em seu desenvolvimento.

EXPRESSÃO DOS RESULTADOS

Em decorrência da abordagem pedagógica e dos princípios estabelecidos, o Colégio adota, como expressão dos resultados:

Na Educação Infantil
Parecer Semestral que apresenta os objetivos das diferentes áreas do conhecimento, expressando as observações, o acompanhamento e o registro do professor sobre o desenvolvimento do aluno. O Relatório de Avaliação por Objetivos não tem finalidade de promoção. A recomendação para o acesso ao Ensino Fundamental é competência do(s) professor(es), acompanhados pela Equipe de Ano.

Do 1º ao 5º Ano do Ensino Fundamental de 9 Anos
Relatório de Avaliação dos objetivos trimestrais relativos aos princípios das diferentes áreas do conhecimento. O Relatório de Avaliação do último trimestre do 2º ao 4º Ano expressa a aprovação ou a reprovação do aluno, já o do 1º Ano tem caráter diagnóstico; não acarreta, ao término do ano letivo, a retenção do aluno. No 5º Ano, o resultado da avaliação é expresso por meio do Boletim Escolar, no qual é atribuída uma menção para cada componente curricular: A – Atingiu o objetivo; AP – Atingiu parcialmente o objetivo; NA – Não atingiu o objetivo. O aproveitamento expresso no Relatório e no Boletim Escolar é competência do professor, orientado pelo Serviço de Orientação Educacional e Pedagógica.

A expressão dos resultados do aluno com necessidades educacionais especiais é registrada em parecer descritivo trimestral, e, após avaliação dos resultados e indicação do Conselho de Classe, o aluno poderá permanecer no mesmo ano.

Do 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio
O modelo de avaliação do 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental e do Ensino Médio divide o ano letivo em três trimestres e expressa os resultados por um sistema de notas numéricas (0 a 10). Cada trimestre é planejado a partir de um encadeamento lógico de objetivos de avaliação que contemplem as dimensões cognitiva, socioemocional e espiritual-religiosa.

Estes objetivos são avaliados em três blocos dentro de cada trimestre: Parcial 1, Parcial 2 e Acompanhamento Processual Contínuo (APC). Cada Avaliação Parcial tem seus objetivos específicos, sendo o mínimo para  aprovação 60% em cada Parcial, a qual pode ser constituída por diferentes instrumentos avaliativos e envolver um ou mais objetivos, correspondentes ao que foi trabalhado no trimestre até aquele momento, contemplando os conceitos e conteúdos centrais desenvolvidos.

O Acompanhamento Processual Contínuo (APC) corresponde a atividades diversificadas realizadas ao longo do trimestre pelos alunos. O APC apresenta uma ênfase na dimensão cognitiva, socioemocional e espiritual-religiosa, ampliando e dando maior visibilidade ao olhar do professor em direção a uma avaliação integral e trazendo critérios objetivos para a mensuração dos resultados em aspectos como pontualidade, participação, responsabilidade e interesse dos alunos.

Em termos de sua inserção no sistema de avaliação, ressalte-se que:

  1. O APC pode ser constituído por diferentes instrumentos avaliativos e vale até um ponto, sendo agregado à média obtida pelo aluno no trimestre quando atingido o mínimo de 60% (nota 6).

  2. O APC não será recuperado, constituindo-se como uma nota atribuída aos alunos por seu envolvimento, comprometimento e participação no processo.

A apuração do resultado do trimestre gera uma Nota Trimestral (NT), de valor numérico, que é apurada no final do Trimestre para todos os alunos que obtiverem 60% (nota 6) na Parcial 1 e na Parcial.

A expressão dos resultados do aluno com necessidades educacionais especiais é registrada em parecer descritivo trimestral, e, após avaliações dos resultados e indicação do Conselho de Classe, o aluno poderá permanecer no mesmo ano.

PADRÕES DE PROMOÇÃO
Aprovação

Do 2º ao 4º Ano do Ensino Fundamental de Nove Anos
É aprovado o aluno que alcança os objetivos relativos aos princípios das diferentes áreas do conhecimento, indispensáveis para dar continuidade aos seus estudos no ano letivo seguinte, constantes no Relatório de Avaliação. A expressão desse resultado é de responsabilidade do Conselho de Classe, ouvido o professor.

Do 5º Ano do Ensino Fundamental
Ao final do ano letivo, é considerado aprovado o aluno que no resultado final obtiver Menção A ou AP em todos os componentes curriculares. Ao final do 3º trimestre letivo, a expressão desse resultado é de responsabilidade do Conselho de Classe, ouvido o professor. Após a realização de Reavaliação Entre Períodos, a aprovação é competência do professor, orientado pelos Serviços de Orientação Educacional e Pedagógica.

Do 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental e do Ensino Médio
É considerado aprovado o aluno que, no resultado final, tiver atingido no mínimo 60% (nota 6), em todos os componentes curriculares. Ao final do ano letivo, a expressão do Resultado Final do Componente Curricular (RFCC) é de responsabilidade do Conselho de Classe, ouvido o professor.  Após a realização de Reavaliação Entre Períodos (REP), a aprovação é competência do professor, em diálogo com os Serviços de Orientação Educacional e Pedagógica.

 
Reprovação

Do 2º ao 4º Ano do Ensino Fundamental de Nove Anos
É reprovado o aluno que não tenha atingido os objetivos relativos aos princípios das diferentes áreas do conhecimento, indispensáveis para dar continuidade a seus estudos no ano letivo seguinte. A expressão desse resultado é de responsabilidade do Conselho de Classe, ouvido o professor.

Do 5º Ano do Ensino Fundamental
É reprovado o aluno que obtém a menção NA ao final do ano letivo em mais de um componente curricular. Ao final do 3º trimestre letivo, a expressão desse resultado é de responsabilidade do Conselho de Classe, ouvido o professor. O aluno que obtém a Menção NA em Reavaliação Entre Períodos ou que não comparece à sua realização está reprovado.

Do 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental e do Ensino Médio
É considerado reprovado o aluno que não obtiver, no resultado final, o mínimo de 60% (nota 6), em todos os componentes curriculares.

ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO

Do 1º ao 5º Ano do Ensino Fundamental de Nove Anos
O Colégio oferece ao aluno que apresenta dificuldades no processo de ensino e aprendizagem:
atividades de reforço, no decorrer dos trimestres letivos, através de exercícios adicionais, posteriormente recolhidos pelo professor;
encaminhamento para aulas de reforço, durante os trimestres letivos, no Laboratório de Ensino-Aprendizagem.
O planejamento dos estudos de recuperação é de competência do professor, a partir de orientações do SOP. No planejamento desses estudos, devem ser consideradas as dificuldades próprias de cada aluno.

Do 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental e no Ensino Médio
Os estudos de recuperação têm como objetivo auxiliar o aluno a dirimir as dúvidas e superar as dificuldades surgidas no decorrer do processo de ensino e aprendizagem. No Colégio, os estudos de recuperação são realizados através do Laboratório de Ensino e Aprendizagem, bem como através das Atividades de Reforço.

LABORATÓRIO DE ENSINO APRENDIZAGEM

É o espaço pedagógico oferecido e organizado pelo Colégio como forma de recuperação prevista em lei. Proporciona ao aluno novas vivências nos objetivos já trabalhados, assim como aprofundamento destes com vistas à superação das dificuldades.
O Laboratório de Ensino Aprendizagem é oferecido de forma não obrigatória aos alunos com alguma dificuldade, enquanto para os alunos indicados, de forma obrigatória, como uma oportunidade de recuperação de estudos em diferentes momentos, ao longo do ano.

As atividades do Laboratório de Ensino Aprendizagem, quando indicadas para alunos com infrequência, pela Equipe de Ano assumem caráter de obrigatoriedade por serem atividades complementares compensatórias da infrequência.

As aulas de Laboratório de Ensino Aprendizagem do 1º Ano ocorrem no turno da aula, com o professor da turma. Já as aulas do 2º Ano ao 9º Ano ocorrem no turno contrário. O horário é estabelecido no início do ano, permanecendo aberto até as Reavaliações Finais. O aluno poderá vir ao Laboratório de Ensino Aprendizagem por convite ou convocação dos Orientadores de Convivência Escolar, a pedido dos professores.