7º Ano do Ensino Fundamental II

a) Projeto São Paulo
O projeto São Paulo visa a proporcionar aos alunos do 7º Ano uma experiência de aprendizagem multidisciplinar, uma vez que as visitas decorrentes dessa atividade pedagógica são aproveitadas no desenvolvimento de conteúdos em diferentes áreas do conhecimento durante o ano letivo. Esse projeto foi especialmente pensado para oportunizar aos alunos a construção do conhecimento fora dos muros da escola, além de proporcionar momentos de sociabilização entre os adolescentes.

Com o projeto, os limites da sala de aula ampliam-se para a realidade: aprende-se história, arte e ciências a partir de estratégias de observação e de interação direta. Os locais visitados são os seguintes:

• Pateo do Colégio, Mosteiro de São Bento e Estação da Luz e Pinacoteca
No Pátio do Colégio e na observação dos monumentos históricos mais representativos da cidade, a história torna-se uma descoberta construída a partir do olhar para as ruas, os cenários e os acontecimentos que fizeram surgir a cidade.

• Catavento Cultural
Com o Catavento Cultural, a iniciação à ciência torna-se uma experiência interativa e dinâmica, em que os alunos veem os fenômenos acontecendo e percebem que a ciência faz parte do cotidiano.

• Museu de Língua Portuguesa e Pinacoteca
No Museu de Língua Portuguesa, a literatura é mostrada a partir dos autores mais importantes da língua nacional: abrem-se as portas para que os alunos percorram suas obras a partir de recursos gráficos, de imagens e de vídeos, que permitem uma aproximação mais direta e significativa com as palavras do texto. A língua Portuguesa transforma-se num código que pode ser descoberto de forma lúdica, a partir de jogos e brincadeiras que aproximam os alunos da história da língua e de suas potencialidades expressivas.

Na Pinacoteca, um dos mais antigos e importantes museus de São Paulo, os alunos conhecem um acervo de nove mil trabalhos que incluem obras de Rodin e Anita Malfatti num espaço arquitetonicamente deslumbrante nos Jardins da Luz.

Além disso, o Projeto tem também uma relevância indiscutível em termos de desenvolvimento de habilidades socioemocionais, permitindo que os alunos aprendam a conviver em grupo, propiciando experiências de sociabilização, de troca de ideias e de respeito a regras comuns, que valorizam a aprendizagem coletiva e que mostram a importância que cada um tem dentro do grupo.

b) Projeto Território de Arte e Poder
Estudar como a cultura gaúcha, especificamente na cidade de Porto Alegre, expressa a relação transcendente entre a vida e a morte. Dessa forma, deseja-se que os estudantes percebam os espaços arquitetônicos presentes nos diferentes cemitérios da cidade, registrando o simbolismo da morte como passagem, em termos de ritos religiosos e sociais.

Objetivos
• Estudar a arte cemiterial em sua totalidade nas necrópoles de Porto Alegre: Santa Casa e Jardim da Paz;

• Relacionar os dados técnicos com o conteúdo programático das disciplinas envolvidas na saída de campo: Língua Portuguesa, Religião, História, Artes, Geografia e Ciências;

• Elaborar uma produção textual a partir das experiências vividas nos locais visitados.

Justificativa
Quebrando tabus da grande maioria dos discentes, o Projeto Território de Arte e Poder propôs aos estudantes abandonar o que ignoravam sobre os cemitérios, mostrando-lhes o porquê carregam na sua concepção questões como a memória da cidade, a identidade e a valorização da cultura como meios eficazes na reestruturação social destes importantes sítios urbanos. Portanto, o grande desafio de mostrar a educação patrimonial não se restringe somente à descoberta, mas quer despertar a consciência dos estudantes como agentes histórico-sociais e como produtores de cultura.